domingo, 20 de julho de 2008

Iluminado



O vento acaricia meu rosto.
Sentado em frente ao mar numa cidade onde o mar não falta. Não faltam motivos para paralisar diante do horizonte azul e branco, num banco de areia, sol e brisa nos cabelos.
O sol aquece os sentimentos a flor da pele; dos poros brotam pétalas de suor, nos olhos a inconstância do mar. Respiro como as ondas, os pés enterrados nas areias mornas, o vai-e-vem me paralisa.
Por vezes a luz me cega... Passo a enxergar com clareza: Os deuses estão a meu favor, todos são por mim. Todos em mim. As forças do Olímpio me fragilizam de tal modo que chegam a fazer-me forte. Apolo e Dioniso me regem sobe a tutela de Afrodite. Me arrisco protegido.
Estou de carona no carro de Apolo, passeando na passagem dos dias com cuidado para não incendiar o mundo, ainda não estou preparado para guiá-lo, não tenho força suficiente para comandar os cavalos alados, me cabe apenas ser passageiro no carro de ouro. Enquanto isso o outro me incita, me sugere a embriaguez, o delírio.
Agradeço todos os dias por ser Libriano, por ter Apolo a meu lado esquerdo e no direito Dioniso. Afrodite é o meu eixo. Me sustenta em fios de seda.
O vento me acaricia...
Não poderia estar em melhor companhia.

Maick Barreto

2 comentários:

Bruno Guimarães disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bruno Guimarães disse...

Amigo os Deus não disputam por vc. Eles se apaziguam em acordos que os garantem a certeza de sua companhia.
Abço e fique na paz.